quarta-feira, novembro 19, 2008

"A solução está nos livros"



Minha vida não seria nada sem amigas. Na verdade eu nem precisava ter tomado o proseco, que usualmente não me cai bem, que acabo de tomar para chegar a essa magnífica conclusão.

Há questão de uns 15 dias eu e uma amiga animada (Dra. R.) participamos do mutirão de laqueadura da cidade, em que numa manhã de sábado ensolarado optamos por ficar "indoor" ligando toda e qualquer trompa de Falópio que apareceu na nossa frente. Onze mulheres desejosas a nunca mais engravidar resolveram a questão e uma não apareceu, possivelmente ainda duvidosa sobre o seu futuro reprodutivo. Com sucesso, terminamos pela hora do almoço, de forma que sobrou tempo hábil para rever uma amigona de São Paulo (Dra L., ela mesma) e outra de Jundiaí ( G. querida) que vieram de suas respectivas cidades para que se matássemos as saudades. Combinei direitinho com Dra. R.: amanhã eu passo visita nas felizardas que além de conseguirem a resolução de parte de seus problemas tiveram a sorte de ter sido nas nossas mãos! Deixa comigo tudo amanhã, eu digo em bom som e magnânima, afinal, você já fez sozinha a seleção das canditadas num dia que me foi atribulado, resolvendo a questão do agendamento! Tudo combinado.

Só que eu acordei no domingo igualmente ensolarado e abri minha malona de scrap e sai a fazer mini-álbuns liiiiiindos, com muitos "i"s como se diz para denotar a real boniteza do negócio. E nessa de se entreter entre fotos e papéis, por volta do meio-dia, a luz do celular se ascende com nome da Dra R. em destaque na tela do aparelho. Atendo feliz com a possibilidade de uma programação para o almoço: "eaítudoobem?", eu : sim, tudo bem. "Aconteceu alguma coisa, Patrícia?" ...será que aconteceu? passa rápido a sentença pela minha cabeça, daí lembro das 11 pacientes que deveriam estar sedentas pelo almoço de domingo em casa, aguardando a alta... Já te ligaram do hospital?, pergunto rápido... ah sim, já ligaram...sei ... se eu quero que você vá ver as pacientes? ... Veja, não sei se Dra. R. perguntou só por educação, mas eu sem muita educação e na lata respondi que queria sim que ela fosse...Sabe, o Carlo acaba de sair pra umas comprinhas e estou com as crianças...esqueci, menina, vai vendo o grau de amizade que vc está arrumando, brinquei...um risinho pra disfarçar e então aconteceu. Torpedinho carinhoso para ela enquanto ela deveria estar no caminho, agradecendo a benção que fazia pela minha desmiolada pessoa.

Caiu o peso da possível TPM forte, de uma vez em cima de mim e me dei conta de além da irresponsabilidade do meu esquecimento me ocorreu a ciência de como ter amigos é bom.Vi que era hora do almoço e eu teria de providenciar qualquer coisa pra gente comer na próxima hora. Coloquei bananas ouro madurinhas clamando por uma solução para assar com um pouquinho de açúcar mascavo e canela, enquanto pensava qual seria o molho (pomarola mesmo ou modificado??) para a macarronada e arrumei a mesa na sala.

Então a luz do aparelho acende de novo e dessa vez é o nome de Dra. J, amiga, vizinha e, porque não dizer, minha atual ginecologista. "Estamos assando um salmão na churrasqueira, o sol está uma delícia aqui na piscina, os meninos estão se esbaldando, venham para cá!", ela praticamente ordena. Antecipo que fiquei meio transtornada com minha falta profissional e a informo, na condição de minha médica, que a TPM - se é que essa entidade realmente existe - despencou em mim depois das 11 e 45 do domingo. Ainda assim ela mantém irrecusável convite em pé. Chegando lá, depois de me dizer que eu poderia tomar um desses moduladores de humor que estão na moda para TPM, ela me sugere forte um mergulho na piscina. Ainda na condição de paciente obedeço e me sinto muitíssimo melhor depois de muitos mergulhos com os troianos. Sinto que minha TPM durou por volta de 2 horas. O troiano a noite tentava me fazer as vontades, dizendo que eu precisa descansar. Sim, nesses minutos doidos do sol a pino falei alguma verdade de forma rude demais para um menino de 7 anos. Ele notou que eu não estava "muito certa" e depois tudo ficou conversado, se resolvendo com um com d' água fresquinha que ele buscou lá embaixo na cozinha e trouxe, orgulhoso, para a mãe.

E no meio de tanto plantão tento ler o livro que a Dra L. me trouxe de presente. Sempre me apresentando escritores(as) interessantes, ela. Isso é de um valor enorme para mim, que agora morando no interior, me sinto meio de fora da vida cultural. E então "Tô com vontade de uma coisa que eu não sei po que é" de Tati Bernardi me conta crônicas sobre mulheres de uma forma tão divertida, natural e com tanta propriedade que o meu trabalho (diga-se de passagem, em meio a muitas mulheres) fica bem menos penoso. Mando torpedo para ela (assim ela não desisite de me falar e dar coisas imperdíveis que eu quase sempre perco...). Apesar de ela não responder... Disse que estava com celular quebrado para receber torpedos...Estranho, né? Bem ,eu achei, mas continuei mandando discorrendo sobre minhas impressões sobre o livro.

Ainda na linha do torpedo, mandei um e mail hoje a tarde para o grupo de mulheres de 30 do qual, com muita honra faço parte. Grito que sinto uma felicidade aparentemente imotivada, mas enorme. Sou dada a essas coisas. Boba alegre já diagnosticava meu pai em minha tenra infância. E sinto as meninas felizes junto comigo. Tão bom!

E há poucas horas estive com minha amiga Dra. C. aqui em casa. Ela que, gentilmente, me apresentou o scrap e num misto de horas de artesanato fazemos nossa terapia informal, que considero das melhores. Então ela veio com essa frase que abre o tópico, que ela acha interessante não só pelo significado, mas devido o que a própria frase já lhe trouxe. O então namorado de faculdade sentiu que pisava em terra firme quando leu essa sentença bem colocada numa parede ou armário de sua república. E ficou feliz ao vislumbrar o futuro da relação. E está feliz até hoje, ao lado dela. Ela que fez aniversário no último dia 15, mas que não conseguimos comemorar na data, me deu o prazer desse começo de noite com brinde de feliz aniversário. Riso solto e proseco para que eu conseguisse estravasar mais minha alegria. Porque alegria, minha gente, assim como a tristeza, precisa ser estravasada.

Beijos

TiTa

Ah sim e parodiando a frase : "a solução está em se ter amigos"

PS 1: Claro que o fato de ter ido a Santos esse mês, de ter encontrado minha irmã Tina e Marininha e de ter tido meus pais aqui em São José nesse mês fazem parte da minha felicidade. E eu sei muito bem disso!

PS 2: Meu próximo tópico colocarei uma crônica desse livro que citei. Estou dando risada sozinha, e precisarei compartilhar!

5 comentários:

Anônimo disse...

Tita
Vc realmente não existe...vou tentar a vida toda ser um pouquinho igual a você...e bem mais feliz! Bjs
Tina

FELICIDADEetrist... disse...

Tititititit, tô me matando de rir aqui com toda essa sua história... Doooida! vc é uma figuraça! E o meu problema de não receber torpedos era real e verdadeiro, viu, vocezinha??? Mas eu descobri o motivo: ele não recebe toda vez que fica lotado! Mas eu não sabia disso! Agora que eu sei (vc sabe?), não deixarei acontecer de novo, ok?
Bom, meu scrap fiquei simplesmente maravilhoso e se foi ele que causou o esquecimento das pacientes, foi uma belíssima causa! Presente tão lindo não há de ter!
Bjs, minha amada!

Riuston - Livraria Cultura disse...

OI Tita, tudo bem?

Nesta sexta e sábado, dias 28 e 29, a Livraria Cultura preparou um projeto bem bacana chamado Vira Cultura. A loja do Conjunto Nacional, em São Paulo, vai “virar a noite” e ficará aberta durante 37 horas. Será possível assistir a vários eventos literários, de arte, teatro e música, o dia e a noite, tudo gratuito.

Dentre os eventos, teremos leitura de trechos do clássico de Dostoiévski, Os irmãos Karamazov, em comemoração à nova edição, entre outros lançamentos e encontros com autores.

Será um prazer ter você conosco! Se puder ajudar a divulgar aos seus leitores, também agradeço! É uma super dica para quem gosta de literatura!

Se precisar de mais informações, só falar!

um abração e obrigado!

www.riuston.com.br

disse...

Tita, quanto tempo!
Passei um meme pra vc. Faça quando e se quiser.
Beijas!!!

Anônimo disse...

Me matei de rir, vc esqueceu das mulheres, esqueceu da vida fazendo scraps...rs!!! Figura (linda figura)! Isso tudo ainda foi na casa antiga, no ano passado, nossa como o tempo passa... Para todos!!!

Bjo gde para vcs
Giva